PARIS/FRANÇA - Maio/Junho2011

Nesta postagem vou descrever uma recente viagem que fiz a Paris com Adriana, Flávio e Aklégia. 
Depois de me cadastrar no site "trocacasa.com.br", onde você pode trocar sua casa com pessoas em mais de 140 países no mundo, fizemos algumas tentativas para trocar nossa casa em Cotovelo com algum imóvel em Paris, e depois de alguns dias recebemos a proposta para nossa primeira troca de casa com Anne Caporal, uma francesa muito simpática, educada e hospitaleira. Anne estava de viagem marcada para Recife e João Pessoa, e adorou nosso convite para vir até Natal. Assim, depois de alguns emails e ligações no Skype com a WebCam, combinamos nossa troca nos mínimos detalhes.
Chegamos a casa de Anne, um ótimo apartamento com dois quartos no bairro 20, muito próximo a estação Gambetta do metrô e também do famoso Cemitério de Pere Lachaise, ponto turístico muito visitado na cidade, às 19h. Fomos recebidos por ela com muita alegria e com uma garrafa de champagne da terra. Conversamos um pouco (ela fala um português quase melhor que o meu, e é apaixonada pelo Brasil), Anne nos passou todas os pormenores do seu apartamento e do condomínio, e já fomos bater perna pela capital francesa.
DICA IMPORTANTE: NÃO TENHA DÚVIDA EM COMPRAR O "PARIS VISITE" (http://www.ratp.fr/en/ratp/c_21894/paris-visite/) E O "MUSEUM PASS" (http://www.parismuseumpass.com/). Com o primeiro você anda de metrô, ônibus e RER ilimitado, e o segundo você entra na maioria dos museus e monumentos sem entrar em filas. 
 Kekinha, Flávio, Adriana, eu e Anne no seu apartamento onde fomos muito bem recebidos. Tivemos muita sorte de Anne falar bem português, ela também me ajudou a montar nosso roteiro. Anne adora o Brasil. Encontramos várias bandeiras do Brasil na sua casa além de muitos artesanatos brasileiros. Foi bom porque levamos de presente, além de sandálias havaianas para filha dela, a pedido dela, um jogo americano bem rústico que combinou com o estilo da sua casa. 
Pensei em levar também uma garrafa de champagne francesa... mas não levei.
Saímos da casa de Anne direto para o Arco do Triunfo, um dos monumentos mais fantásticos de Paris na minha opinião, e uma das vistas mais bonitas do seu terraço.
Depois de 24 horas viajando foi mole subir os quase 300 degraus em caracol até o terraço em cima do arco... depois foi só chamar a ambulância...
Na subida tem um museu que conta toda história do arco, e esta linda maquete.
Esse sorriso foi só no segundo da foto, depois voltamos a bufar pelo cansaço da subida.
Essa escultura dentro do arco acho que seve pra pessoa sentar antes de morrer de cansado.
Vista da Champs Elysées... vale todo o esforço ver Paris de cima do Arco do Triunfo.
Agora, ter uma máquina peba nessas horas, e não saber fotografar dá uma raiva viu...
Depois que descemos o arco, fomos caminhar um pouco pela Champs Elysées. Entramos na loja da Peugeot e Flávio foi logo tirando uma foto do lado desse carro conceito. A partir desse momento desconfiei que Flávio tinha implantado um imã que grudava nos carros ... vamos pra frente... voltamos pra casa para dormir e descansar da jornada viajativa.
Acordamos zerados, tomamos café, e pé na bunda.
Saímos do apartamento e fomos para estação Gambetta do metrô, mas ao lado da estação tinha uma parada de ônibus e resolvemos ir por cima vislumbrando a cidade.
O ônibus em Paris é extremamente pontual, limpo e confortável.
Tínhamos acordado há no máximo 1 hora, mas vocês acham que essa carinha de Flávio deu em que...
Era nossa primeira manhã em Paris, uma das cidades mais lindas do mundo... e olha sensibilidade de Flávio emocionado com a paisagem... sei não viu...
Descemos do ônibus por trás do Louvre e entramos por uma entrada lateral mais ao fundo do museu. Eu não conhecia essa parte do Louvre, foi massa ter entrado por trás... sem trocadilhos.
Entrando no pátio do museu, e a pirâmide "fala" com você dando as boas vindas.
Era um domingo e tinha muita gente no Louvre, ficamos um tempo vendo as pessoas e Kekinha constatou: "Os japoneses vão dominar o mundo"... rapaz, tinha japa a dar com pau. Eles e suas câmeras humilhadoras de máquinas pebas feito a minha.
Mas pra compensar um pouco a pebisse da máquina, o fotógrafo aqui deu um click profissional com esse lindo patinho nadando em frente a pirâmide.
Essa foto foi pra mostrar o museu lotado e também principalmente o modelito desse alemão com calça azul e camisa xadrez... ele saiu do Louvre e foi direto pra Campina Grande encontrar o maior São João do mundo.
Acho essa escultura arretada. Apesar de feita na pedra de mármore, a sensação é que o colchão está cheio de ar. Essa obra chama-se "Hermafrodita" a pessoa deitada tem seios e uma pimba ereta... mas escolhi esse ângulo para poupar vocês dessa sacanagem.
Eu queria ter sensibilidade para admirar esse quadro da Monalisa...mas realmente não entendo essa multidão na frente dele...tem um quadro aqui em casa de Marco Júnior e outro de Erismar que eu não trocaria com Da Vinci.
Esse quadro gigante está na mesma sala da Monalisa na parede em frente... acho muito mais arretado, é cheio de cenas interessantes. Esse eu trocaria.
Antes do atual Meridiano de Greenwich que divide a Terra longitudinalmente, o meridiano utilizado no mundo era o Meridiano de Paris, que foi registrado através de 121 medalhões Arago, com 12 cm de diâmetro, cravados em vários pontos de Paris ao longo de quase 10Km. Esse da foto está no Museu do Louvre. Flávio pensou que era uma tampa de caixa de gordura.
Quem leu "O Código Da Vinci" vai lembrar desse medalhão.
Um dos muitos belíssimos e riquíssimos corredores do Louvre. Leva-se um ano para conhecer todos se for diariamente ao museu. 
Loja da Apple no Louvre. Muito massa essa loja.
Saímos do Louvre e fomos caminhar pelos Jardins de Tuileries até a Praça da Concordia. Na foto, além de Kekinha e Adriana, o Arco do Triunfo do Carrossel, que está no mesmo alinhamento do Arco do Triunfo e do Grande Arco no bairro La Defense.
Este é o obelisco na Praça da Concordia, a maior praça de Paris e o início da avenida Champs Elysées.
 Prestem atenção nesta foto. O primeiro terço (da esquerda para direita) da fachada deste prédio é um tapume de obra. O prédio está em reforma, e no tapume tem um desenho que representa exatamente a fachada do prédio.
Até parece um tapume de uma obra que vi aqui em Natal, só de material aplicado contei vários, tais como: Madeirit, porta velha de geladeira, tampo de fogão, telha brasilit, papelão, lona preta e por ai vai... tava lindo.
Caminhamos até a margem do Sena para uma sessão de fotos. Como modelo, já estou ambientado a isso.
Alugamos as Velibs para acelerar nossa programação. O stress de Flávio foi grande com as cangueiragens de Kekinha.
Ponte Alexandre III. Lindo local de Paris. Combinou comigo.
Hotel dos Inválidos. Abrigava os soldados estrupiados na guerra. Até hoje residem lá soldados do exército francês que necessitam de saúde. Esse prédio tem um jardim belíssimo.
Ao fundo o Grand Palais, e a frente o mimoso com preguiça.
No Grand Palais estava tendo uma exposição de um arquiteto que inventou essa escultura inflável gigante (essa bola marrom), e era só isso. Agora me explique porque danado tinha uma fila gigante pra entrar e ver?
Voltamos a caminhar na Champs Elysées e as meninas ficaram babando na frente da Louis Vuitton, mas nada que um copo d'água não resolva.
Existia um fila enorme com fichas para entrar na Louis Vuitton. Não consigo entender isso... mas o mais impressionante era ver o semblante de algumas meninas que saiam da loja com a sacola na mão e um sorriso de Gioconda na face... a impressão era que iria flutuar... fico "incrível' com essa 'escravidão' de alguns.
Na loja da Renault o imã agiu...
Essa é a Prefeitura de Paris, prédio lindíssimo com telões na frente passando os jogos de Roland Garros, paixão dos franceses.
Não deu pra falar com o prefeito, mas deixei um recado com o guarda da entrada, dizendo que Micarla mandava um abraço pro colega.
Agora, essa foi uma das melhores. Saímos da prefeitura e fomos caminhando para o Pompidou, um prédio famoso de Paris com entorno bem movimentado. No caminho, Flávio começou a se arrepiar com caganeira (normal), e implorar um banheiro. Deus atendeu na hora suas preces e apareceu esse banheiro público todo tecnológico. Acompanhei ele para decifrar como funcionava. Lemos (ou adivinhamos) as instruções escritas na porta e aguardamos um cara sair. O cara saiu e esperamos a lavagem automática que acontece a cada utilização. Flávio entrou (e nesse momento já devia tá escorrendo), arriou as calças e quando foi começar o 'serviço' a porta se abriu sozinha. Foi uma travada que cortaria um vergalhão de uma polegada. Levantou as calças em uma fração de segundos e saiu com cara de gema de ovo. Entrou numa sorveteria em frente e pariu os gêmeos. Eu, Adriana e Aklégia ficamos passando mal de rir.
Do Pompidou fomos para o Tracadero, um dos acessos a Torre Eiffel.
Ainda no Trocadero, o imã vibrou...
Chegamos a Torre Eiffel e sentimos Paris na pele. Essa foto foi o momento que Kekinha se ajoelhou para aparecer romântica na foto... o 'ar' da Torre causa essas sensações.
Brinde a francesa na celebração do momento.
A Torre vista de baixo.
Assistir o por do sol no Campo de Marte em frente a Torre Eiffel é um programa inesquecível.
Flávio não toma champagne e adormeceu no colo de Kekinha, foi uma das demonstrações de maior romantismo que já vi.
Olhe o que acontece com uma pessoa que nunca bebe e acha que champagne é guaraná...
E pra encerrar o dia não podia ser diferente, o imã cromossômico... num sai nem que dê a molesta... pode ficar milionário, mas ele tá lá instalado...

3 Responses
  1. Andressa Says:

    Kkkkkkkkk
    Pra variar achei o post fantastico!!!!
    Daqui a pouco vão estar pagando a viagem de Flavio para ele ser companheiro de viagem!!! Garantia de uma viagem com historias engraçadissimas para contar!!!
    Agora eu tenho q confessar uma coisa, sabe o q mais amei no Louvre?? A LOJA DA APPLE!!!! Mto massa mesmo!!!
    Ja estou no aguardo do proximo post!
    Bj

  2. GustavoLago Says:

    Acho que nunca ri tanto nesse ano de 2011 com essa sua postagem tio : "O cara saiu e esperamos a lavagem automática que acontece a cada utilização. Flávio entrou (e nesse momento já devia tá escorrendo), arriou as calças e quando foi começar o 'serviço' a porta se abriu sozinha. Foi uma travada que cortaria um vergalhão de uma polegada. Levantou as calças em uma fração de segundos e saiu com cara de gema de ovo. Entrou numa sorveteria em frente e pariu os gêmeos. Eu, Adriana e Aklégia ficamos passando mal de rir."


    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  3. Adriana Lima Says:

    Muito legal o Post. Adorei, no entanto ficou uma dúvida: Ela recebeu vcs lá e depois vcs a receberam aqui. Não houve troca simultânea de casa?

Postar um comentário

abcs